20 janeiro 2011

O Menino do Quarto "Escuro"

imagem por Robert Frank "Quarto Escuro 01"
disponivel em: 
http://www.flickr.com/photos/robertfrank/368995427/in/photostream/


O MENINO DO QUARTO "ESCURO"

Estava escondido em um quarto escuro. Escondia-se debaixo da cama e sobre ela havia alguns livros abertos, papel branco e uma caneta.
O chão era simples, rústico igual às paredes e não havia muitas mobílias naquele cômodo.
Ele parecia estar muito amedrontado, chorava e talvez em sua mente passasse apenas a imagem de sua mãe, a única pessoa a quem ele pudesse estender a mãos.
Pessoas aproximavam-se com pisadas fortes, pareciam estar enfurecidas. Gritavam muito e também xingavam aquele menino. Entraram arrebentando a porta do quarto fazendo um grande barulho. Derrubaram uma pequena prateleira de livros que estava em um canto de uma das paredes, chutaram uma cadeira e desarrumaram o lençol.
Ele ficou ali embaixo da cama, segurava o choro para não o ouvirem. Fechou os olhos e no mesmo instante veio a imagem de Cristo e logo a de sua mãe e de seus irmãos. Desejou profundamente – tão fundo que seria impossível qualquer homem mensurar a profundidade – estar próximo de algum amigo ou alguém que o pudesse escondê-lo.
_ Ah! Então você está ae! – Um homem exclamou com uma voz rouca e muito exaltada. Puxou-lhe pelos cabelos e tirou-o do seu esconderijo.
Antes mesmo que pudesse se virar, aquele garoto levou vários murros nas costas e mais dois rapazes se aproximaram e começaram a chutá-lo. Sua mãe estava em pé ao lado da porta e chorava olhando aquela cena.
Levantaram-no e deram um soco no rosto. Estava com muito medo e não sabia para quem pedir ajuda. Levaram-no para fora da casa e o jogaram no meio da rua de barro.
Havia muitas pessoas, e traziam pedras nas mãos. Próximo havia também algumas árvores e tinha frutos nelas, mas não deu para ele reconhecer que frutos eram.
Ninguém se calava e, em meio aquela gritaria, ele olhava para aqueles rostos desfigurados e cheios de ódio, reconheceu um amigo – o seu melhor amigo. Estendeu a mão em sua direção suplicando ajuda.
_ Você conhece ele? – Uma mulher perguntou raivosamente.
_ Não. Não senhora. – Respondeu o outro menino falando muito baixo. E olhou para o amigo com os olhos de quem pede desculpa por não pode fazer nada.
Começaram a atirar pedras naquele filho de Deus caído no barro. Ele gritava do fundo de sua alma. Enquanto sua mãe escondia o rosto para não ver ou talvez, para não ouvir.
_ Pai! Pai! Me ajuda! Mãe! Mãe!!!
Não havia muitas pedras e quando elas acabaram, aquelas pessoas usaram as próprias mãos e os pés. Agrediram aquele menino até a morte. Enquanto faziam o que fizeram, gritavam o mesmo Nome a quem o garoto deveria estar pedindo ajuda. E a esse Nome era dedicada tal ação.
Realizaram tal ato sem derrubar, exteriormente, uma única gota de sangue. Não deixaram um único hematoma externo e nem causaram, se quer, uma fratura (de ossos).

Samir S. Souza
Publicado no Recanto das Letras em 20/01/2011
Código do texto: T2741342



Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original (Samir S. Souza - www.contoando.blogspot.com). Você não pode criar obras derivadas.

2 comentários:

Meu Deus quanta crueldade! O que foi que esse menino fez?

Parabéns senhor Rimas!!! o Blog tá lindo, vou lendo-o aos poucos, gota a gota para saborear lítera a lítera