06 janeiro 2011

Escrever a Mão na Beira d'um Penhasco

desenho de Pontoelinha (PE)

ESCREVER A MÃO NA BEIRA D'UM PENHASCO



Beirava à loucura. Foi até a cozinha e bebeu água. Estava sedenta, uma breve linha d’água escorreu por entre os seios brancos e joviais. Sentiu-se um pouco aliviada e enquanto ouvia-se as goeladas d’água, acariciava com a mão esquerda o bico do seu mamilo direito.
Voltou ao seu quarto logo após ter ido ao banheiro. Arrumou o lençol e deitou-se. Virou para a parede, depois de fechar os olhos, sua visão se inundou de imagens, desejos e sentimentos que, a cada minuto, tornavam-se mais reais ao ponto de sentir arrepios.
Mexia-se muito e estava naquele momento imaginando o rapaz que sentara ao seu lado, no banco da igreja. Imaginava-o segurando sua mão, um breve namoro e por fim, casados. Imaginava como seria o seu brinquedo e que sensação teria em senti-lo entrando nela. Sua língua movia-se dentro de sua boca: um beijo, agora uma chupada. Em uma fração de segundos, o rapaz da igreja deu lugar à imagem do pastor. Tinha uma curiosidade monstruosa do que estaria por baixo daquele terno azul marinho e forçava imaginar, aquele homem que achava bonito, urinando em suas pernas. Estava descabelada, e a coberta cobria apenas uma de suas pernas. De olhos fechado para o teto, seus dedos percorriam seu corpo todo, e em suas pontas, havia um mágico poder capaz de propiciar profundos e anestésicos arrepios. Já não era mais surpresa o seu corpo molhado, mas se assustou quando achou que tivesse urinado na cama.
No dia seguinte, acordada e apressada pela sua mãe para não se atrasar, ficou um pouco triste ao abrir os olhos, porém, preferiu imaginar que seu homem já havia levantado muito cedo para o trabalho e deu um cheiro e um beijo no travesseiro.
Chegava até imaginar como seria ser amada por alguns dos seus professores, mas nada se comparava aos seus mais íntimos desejos que tornavam-se reais em algumas noites que pareciam ser intermináveis.
Loira, pele branca, magra e estatura média, Crêu era muito obediente aos seus pais e fazia questão de mostrar a todos o quanto era boa e o quanto era inocente. No entanto, ela mesma sabia que sua inocência vaporava-se em meio ao calor da sua imaginação que fervia sobre seus lençóis e molhava as pontas de seus dedos.
Sentada no banco detrás, voltavam de um culto, seu pai dirigia e sua mãe parecia não saber o que era silêncio. Observava seu pai pelas costas e reparava em todos os gestos que era preciso fazer para dirigir, trocar a marcha, pisar na embreagem, no freio, olhar pelo retrovisor e ao mesmo tempo conversar com ela e sua mãe. Observava o pé-do-cabelo bem feito, os ombros largos e sua voz rouca e autoritária e por alguns segundos veio a sua mente a imagem inventada do que seu pai guardaria dentro das calças.
Seu rosto corou-se, e envergonhada olhou para sua mãe cujo cabelo era liso, longo e de um castanho claro. Admirou os gestos delicados de sua mãe e orgulhou-se dela por ter bom gosto para homens. Seus pensamentos, de repente, tornaram-se pesados e aterrorizantes, seu medo do pecado fez com que olhasse para os carros à frente e desviasse seus pensamentos para o que precisava fazer quando chegasse em casa.
Jantaram todos juntos em volta da mesa, seu pai, sua mãe, seu irmão mais velho e uma amiga que viera para estudar juntas. Aquele pôr-do-sol foi cheio de risos, cochichos e algumas confissões de amigas.
_ Ah, não fale assim do seu irmão...
_ E por quê? – perguntou rindo.
_ Por nada, só não creio que ele seja igual a todos os outros homens...
_ E por que não? – ainda rindo.
_ Não sei, apenas acho que não.
_ Mas são todos iguais!
_ Crêu posso te fazer uma pergunta? – em tom de segredo
_ Faz.
_ Mas promete que não vai ficar com raiva de mim?
_ Talvez. Prometo vai.
_ E que não vai contar pra ninguém?
_ Fala logo, estou ficando curiosa.
_ Você já viu o seu irmão pelado? Como é? – cochichou.
_ Ah sua safada! Meu irmão! Então é por isso né – demonstra surpresa em meio a risos.
Crêu chegou a repreender sua amiga pelos pensamentos sórdidos e depois de conversas e da despedida da amiga e do sol. A noite apresentou-se para velar as casas e se tivesse sorte, o sono de alguns mortais que, por ventura, esquecem a janela aberta.
A noite estava quente, e quente estavam os pensamentos de Crêu. Temia por esses pensamentos porque sabia que eles o tiravam o sono. As imagens criadas pela suas fantasias eram claras e nítidas. Eram mais que sonhos de olhos abertos, eram verdades que não aconteceram.
A sua noite épica iniciou-se com a imagem da mãe acariciando o pai e logo depois imaginou ela mesma acariciando o pastor que lhe ensinava com um tom de voz pesado e um pouco prolongado como fazer as carícias e onde acariciar. Imaginou ser presa por um policial e questionou-se se Jesus estaria observando-a.
Suas fantasias pareciam mais correntes que a prendiam ao limite da ilusão e realização, do pecado e salvação. Sentia cala frios que a davam uma gratidão de ter nascido mulher e seus ensinamentos davam o peso do medo, da vergonha e da condenação que talvez pudesse ter.
Gemia, e seus dedos já possuíam vida própria. As imagens se tornavam cada vez mais reais dentro de seus sonhos e os arrepios eram os sinais de que nada estava errado. Imaginou uma fileira de quinze rapazes, todos nus com seus corpos balançando, seus pelos e seus olhares penetrantes de selvagens caçadores. Tinha em sua mente, cada detalhe dos corpos, e questionava-se porque alguns se recobriam e outros não.
Estavam todos prontos, suando, rindo e dizendo safadezas. Ela estava de joelhos enquanto faziam um circulo em sua volta. Alguém se agachou junto dela e ela sentiu um abraço quente e anestesiou-se com aquele arrepio. Sua fantasia cresceu ao ponto de estourar-se e tudo – as imagens, seus sonhos, seu sono – murchou. No dia seguinte, acordou disposta, mas sentia uma ponta fina de arrependimento e nem ela sabia o porquê.
Algumas semanas passaram-se e tudo se mantinha normal. Crêu conheceu um belo rapaz, e após a autorização de seu pai, começaram um namoro, no entanto, não respeitavam as regras impostas pelo pai dela e escondidos beijavam-se a quase engolirem-se, amassavam-se a sentir o inchaço pulsando.
Em meio à euforia, os dedos dele já colocaram seu instrumento para fora das calças e caminhavam pelo corpo dela. Ao sentir o dedo do seu amado a entrar-lhe, Crêu assustou-se e com um empurrão, afastou-se de seu namorado e ao demonstrar insatisfação em vê-lo sem vergonha, gritou que era moça de família e deu-o um forte tabefe no rosto.
Antes de entrar em casa, Crêu teve o cuidado para enxugar suas lágrimas para não perguntarem nada e no seu quarto, deitou-se de rosto para o teto, lembrou do que vira e de olhos fechados deixou os seus dedos adquirirem vida.

Samir S. Souza
Publicado no Recanto das Letras em 28/11/2010
Código do texto: T2641358



Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original (Samir S. Souza - www.contoando.blogspot.com). Você não pode criar obras derivadas.

0 comentários: