01 fevereiro 2012

Atentados ao Pudor

imagem google

ATENTADOS AO PUDOR


Qualquer semelhança com fatos reais é mera coincidência.

Palio 6

O carro chegou e parou aproximadamente há vinte minutos. Ninguém desceu e nem os vidros foram abertos. Estacionou como quase todo motorista estaciona, próximo à calçada cerca de um palmo entre as rodas e a quina pintada recentemente de branco.
Ao lado, ficava um terreno baldio cujos capins já ultrapassam o muro chapiscado sem pintura. Havia apenas a luz alaranjada do poste cerca de quatro metros de distância.
Qualquer um pensaria que quem estivesse dirigindo o carro teria passado mal e parou para pedir ajuda, mas teria sido tarde demais. Era, no entanto, já cerca de meia noite e pouca, quase uma hora da manhã, e esse horário são poucas as pessoas que circulam na rua ou que ficam penduradas nas janelas observando carros que param e que ninguém desce.
Seria talvez um carro guiado por um fantasma? Nada é impossível neste mundo.
O misterioso carro que apenas parara sem que ninguém saísse ou colocasse a cabeça para fora de uma das janelas é um palio preto com os vidros com filme. Mesmo se quisesse não seria possível ver quem estaria lá dentro.
Provavelmente, muitos não gostariam de saber quem ou o que estaria no interior do carro. E se fosse alguma assombração? E fosse alguém esperando algum curioso chegar perto para sequestrar? E se fosse algum malfeitor contratado para matar alguém da vizinhança?
Tantas podem ser as possibilidades.
Mas, desde que o mundo é mundo, há todos os tipos de pessoas que existem hoje, e as curiosas estão sempre presentes em quase todas as histórias. E claro que havia uma senhora que se coçava e, ao mesmo tempo, arrepiava-se com o curioso mistério do palio preto.
Às vezes, infelizmente, é um equivoco acreditar que estamos fazendo algo e que ninguém está vendo. Por incrível que pareça, sempre há alguém que, naquele exato momento, poderia fazer algo mais interessante do que olhar a insignificância do ato que estamos praticando.
Intrigada e provavelmente preocupada com aquela situação, a senhora ligou para a policia que não demorou muito para chegar ao local e averiguar os fatos. Uma viatura, que passava ali por perto foi avisada pelo rádio e em questão de minutos estava no local.
Parou a viatura alguns metros atrás do palio preto. Desceram quatro policias entre eles uma policial. Já estavam com suas armas apontadas em direção ao veículo. Chegaram perto e um dos policiais tentou para abrir a porta de trás de carro e como não conseguiu, gritou para que saíssem. O pedido não foi atendido de imediato e a ameaça de um disparo ecoou na rua vazia, banhada apenas pela noite escura e pela luz dos postes.
A porta abriu-se. Os policias estavam com armas apontadas. Viram quem estava lá dentro e não acreditaram.
_ Ah, não acredito nisso! Não tem motel não? - Questionou irritado um dos oficiais.
Quem estava dentro do veículo, falou qualquer coisa que foi engolida pela vergonha.
_ Coloca a roupa e sai do carro! - Advertiu um dos policiais.
Estavam no banco de trás, onde havia um grande pedaço de papelão que servia de proteção para não sujar o banco. Desceu uma travesti. Usava um shortinho jeans desbotado, um camiseta branca de alcinha e seus cabelos que, soltos iam até o ombro, foram amarrados de qualquer jeito para trás.
_ Eu não estou fazendo nada errado. Apenas meu trabalho.
_ Sim querida, eu entendo você, mas pra isso tem motel. Na rua é crime. Atentado ao pudor. - Respondeu a policial que demonstrava grande paciência.
_ Sim, mas foi ele quem me trouxe aqui. Eu apenas estou atrás do meu dinheiro.
_ Ta bom! Se afasta do carro e encosta no muro com as mãos pro alto. - Falou meio furioso um dos policiais.
A policial então falou em direção a quem ainda estava dentro do carro e que colocava a calça:
_ Você também! Saia do carro por gentileza.
Ele colocou as pernas para fora e ainda ficou sentado colocando o tênis cinza. Foi neste momento, em que ele jogou na sarjeta a camisinha que usara momentos antes. Estava sem camisa. Era magro com poucos pelos pelo corpo, um rapaz bonito. Foi quando, ao perceber em seu dedo, a policial questionou-o:
_ Você é casado?
_ Sou sim senhora. Mas ela não sabe. Pelo amor de Deus, ela não pode saber.
Ao ouvir o sim, a policial olhou para sua direita e fez uma expressão de indignação.
Após mais alguns questionamentos, os dois foram conduzidos à delegacia, já que foram pegos em flagrante cometendo ato libidinoso em público. A travesti, por sua vez, ficou nervosa, enquanto ele tentava esconder-se por detrás de sua vergonha. Deram os esclarecimentos ao delegado e foram liberados após fiança e uma advertência por escrito, além de terem que responder ao processo.
Ela voltou, a pé, para o seu ponto e pensava consigo que ainda não iria parar naquele horário, já que nem recebera o valor combinado pelo serviço com o rapaz casado. Este voltou para casa, se a verdade foi contada ou não à esposa, não sabemos e também, não é da nossa conta.

Siena 9

Não muito distante da região onde ocorreram os fatos com o palio preto, um carro chegou e parou há, aproximadamente, meia hora. Ninguém desceu e nem os vidros foram abertos. Estacionou como quase todo motorista estaciona, próximo à calçada cerca de um palmo entre as rodas e a quina branca desbotada.
O carro parou em uma rua residencial. Estacionou de frente para uma casa com um grande portão de ferro vazado pintado na cor marrom escuro. As luzes intercalavam-se entre os postes: luz sim, luz não, luz sim e luz não. Havia outros carros estacionados e um rapaz descia pela rua com uma mochila nas costas.
Qualquer um pensaria que quem estivesse dirigindo o carro teria passado mal e parou para pedir ajuda, mas teria sido tarde demais. Pensariam até ser o caso de furto e abandonaram o carro naquele local. Era por volta das onze e meia da noite e são poucas as pessoas que circulam na rua ou ainda ficam sentadas na frente de casa jogando conversa fora. Em alguns bairros, nas noites quentes de verão, ainda é possível ver, às vezes, jovens jogando bola na rua, andar de bicicletas e pessoas sentadas em grupos conversando, enquanto insetos parecem tentar entrar nas lâmpadas dos postes. Era, no entanto, uma noite um pouco fria, havia acabado de cair uma fina garoa e o vento dava a sensação térmica de mais frio do que realmente estava.
Era possível ver que alguns moradores ainda estavam acordados e assistiam à televisão, já que uma luz azulada era vista por algumas janelas de vidro. Contudo, não havia nenhuma pessoa pendurada em alguma janela observando carros que param e que ninguém desce.
Seria talvez um carro deixado para trás por fugitivos? Nas grandes cidades isso é muito comum.
O misterioso carro, que apenas parara sem que ninguém saísse ou colocasse a cabeça para fora de uma das janelas, é um siena preto com os vidros com filme. Mesmo se quisesse, não seria possível ver quem estaria lá dentro.
Provavelmente, muitos não gostariam de saber quem ou o que estaria no interior do carro. E se fossem policiais corruptos disfarçados? E fosse sequestro? E se fosse algum malfeitor contratado para matar alguém da vizinhança?
Tantas podem ser as possibilidades.
Mas, desde que o mundo é mundo, há todos os tipos de pessoas que existem hoje, e as medrosas estão quase sempre presentes nas histórias. Em uma sociedade corroída pela corrupção, com leis onde o dinheiro é capaz de comprar sentenças e provas ou até mesmo de apagá-las, as pessoas não se sentem muito seguras. O senhor, dono da casa onde o carro havia parado de fronte, achou aquela situação suspeita (já que hoje, qualquer atitude pode ser vista como suspeita) ligou para a policia e torceu para que o levassem a sério e não demorassem quase duas horas para averiguar o que estaria acontecendo. Qualquer minuto é vida ou a subtração dela.
Às vezes, infelizmente, é um equivoco acreditar que estamos fazendo algo e que ninguém está vendo. Por incrível que pareça, sempre há alguém que, naquele exato momento, poderia fazer algo mais interessante do que olhar a insignificância do ato que estamos praticando. Insegurança? Provavelmente. Curiosidade? Também.
Cerca de dez minutos depois a policia chegou. Vieram pela rua de cima, onde uma viatura ficou parada como forma de bloqueio da rua, enquanto a outra parou cerca de cinco metros de distância do carro suspeito. Desceram cinco policias. Já estavam com suas armas apontadas em direção ao veículo. Chegaram perto e um dos policiais bateu no vidro, da porta traseira, ordenando para quem estivesse do lado de dentro a sair com as mãos para cima. O pedido não foi atendido de imediato e a ameaça de um disparo fez alguns poucos curiosos, que ao perceber a movimentação, encostaram-se nas portas de suas casas e penduraram-se pelas janelas e outros esconderem-se dentro de suas casas.
O vidro desceu e um rosto de uma mulher loura se fez visível. Para os oficiais, apenas a janela abaixada não era o suficiente e logo em seguida a porta foi aberta. Os policias mantinham-se com armas apontadas. Viram quem estava lá dentro e não acreditaram.
_ Ah, não acredito nisso! Pra isso existe motel! - Advertiu irritado um dos oficiais.
Não demorou para que um homem de estatura alta, robusto, com os cabelos raspados e barba para fazer saísse pela porta oposta da loura. Os policias pediram para que levantasse as mãos e ele meio desesperado, apressado e com vergonha entregou seu documento de identidade. Pedia desculpas e disse ainda que não estavam fazendo nada de errado.
Foi repreendido por um dos policiais que o lembrou da lei e do atentado ao pudor e informou que teriam que ir todos à delegacia prestar esclarecimentos.
Segundos depois, a loura também saiu do veículo. Usava um vestido preto curto que mostrava suas curvas. Ela pediu desculpas aos policias e reconheceu que estavam errados. Ela ainda explicou:
_ Desculpa senhor, nós somos noivos e não sei o que deu na nossa cabeça de parar aqui para fazer isso. Já estamos com o casamento marcado.
_ Há quanto tempo vocês estão juntos? - questionou o oficial.                                       
_ 5 anos. Faz 5 anos que estamos juntos. Que vergonha. Nunca mais vamos fazer isso. Daqui por diante, só motel ou na casa dele ou na minha. – Justificou a loura.
_ É assim é melhor né: Da próxima vez não tem conversa.
O seu noivo confirmou a história e após checarem a sua identidade no sistema e verificar os documentos do carro, o casal foi liberado. No momento em que ele ligava o motor do veículo, ela colocou o rosto pela metade para fora da janela, e se desculpou mais uma vez.
O carro desceu a rua. Preto, com suas janelas fechadas, suas lanternas laterais traseiras vermelhas diminuíam enquanto o carro se afastava. Não precisou ser apurado onde ficava o ponto daquela loura e nem quantos ele teria agora que pagar pelos serviços dela.
O policial responsável pela liberação do casal comentou com os outros policiais:
_ Não foi uma ocorrência muito grave. O casal estava tendo relações em um lugar indevido, mas como são noivos e não foi encontrado nada demais com eles, é melhor dar uma advertência verbal e liberar para que possam ir para suas casas e pensem no que fizeram. E que não se repita.


Samir S. Souza
Publicado no Recanto das Letras em 01/02/2012
Código do Texto: T3475337


Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original (Samir S. Souza - www.contoando.blogspot.com). Você não pode criar obras derivadas.

1 comentários:

Então se for com um casal não é crime grave se for uma relação esporádica com um travesti já é? Maldita discriminação.
Um abraço e uma boa semana