20 novembro 2011

Dias Vazios

imagem própria

DIAS VAZIOS


Hoje é um dia extremamente triste. O vazio faz-se presente no peito e a dor faz-se companheira. Lembranças tentam tornar cada minuto real de volta a cada segundo do presente. Tudo o que foi vivido parece ter sido em vão. Um sentimento de ódio também parece bater na porta da consciência. As lágrimas dos familiares são súplicas por ajuda e abraços. Lembranças tentam tornar-se reais. Hoje é um dia extremamente triste. Um pedaço dele foi arrancado.
O mundo moderno exige praticidade, e nessas horas é preciso cuidar de toda parte burocrática e do dinheiro para o enterro. Tudo é feito de forma consciente, mas consciência essa alimentada pelo vazio de pensamento nenhum, de sentimento nenhum que não seja a falta, e a esperança por qualquer coisa, a súplica por um sinal ou troca e a certeza do nunca mais e de que amanhã e depois de manhã e depois e depois e depois serão cada vez mais vazios.
Seus olhos estão lagrimejados, seus beiços tremem, seus braços não possuem mais vida ou possuem vida própria. Uma vontade de gritar e chorar o mais alto possível, vontade de sair correndo para lugar nenhum, vontade de se encontrar com ela, vontade de um abraço, só mais um – o último que seja –, vontade de uma última palavra: eu te amo.
Chega o momento em que não podemos mais agir como muralhas e ele desabou sobre suas pernas. Estava sentado e começou a chorar. Não um choro qualquer desses que choramos quando nos machucamos, mas um choro doloroso, solitário, eterno. Um abraço amigo veio fazer-se presente, veio apoiar as colunas da muralha. Nenhuma palavra foi dita. O homem ainda não foi capaz de inventar palavras para esse momento.
Carlos tem dezesseis anos e perdeu a visão ainda com um ano de idade. Consegue locomover-se facilmente pela cidade, é um rapaz independente; estuda, faz cursos e pratica esporte. Tem uma vida normal, apenas com um sentido a menos. Amava sua mãe e apesar de nunca tê-la visto com os olhos, a sensibilidade de seus dedos o ajudava a enxergar a mãe pelo tato e pela audição. Ela era realmente linda. Fez de tudo pelo filho, lutou pelos direitos dele e lutou por ele. Era uma mulher alegre, bem humorada, dessas que gostam de fazer várias coisas ao mesmo tempo.
Carlos ainda consegue ouvir a voz de sua mãe. Por vezes, jura que ela ainda está entre nós e lágrimas brotam de seus olhos.
Seu pai, sua irmã e ele ficaram na casa dos avós por três dias após o enterro. E o dia de volta para casa foi como se tivessem viajado no tempo para o passado. Era como viver novamente os momentos sem a permissão de senti-los. O cheiro da casa, as coisas como ela deixou, o quarto, as fotografias, tudo. Tudo também fez parte dela e ela fez parte de tudo, muito do que se encontrava dentro daquela casa era criação dela. Como é possível as coisas mudarem de um instante para o outro? Como é possível olhar para obra de alguém que sabemos que nunca mais chegará sorrindo, nunca mais ouviremos sua voz, nunca mais um abraço, nunca mais veremos o brilho dos olhos? A dor pesou mais sobre ombros de Carlos. O cheiro da mãe ainda era presente, os cremes, os perfumes eram verdadeiras máquinas do tempo.
Ficaram, por um tempo, sentados no sofá da sala, olhando para o nada, calados. Cada um isolado em suas lembranças, dores e ao mesmo tempo, prontos para dividir as lágrimas.
Após um tempo, apenas Carlos ficou sentado no sofá. Estava de olhos abertos, mas a escuridão dentro dele, trazia a voz e o cheiro da mãe.
Alguns dias depois, trancado em seu quarto e sem explicação por que fez aquilo, Carlos ligou para o celular da mãe que estava em sua mão. Suas pernas também tremeram quando ouvir e sentiu o aparelho tocar e vibrar. Esperou que a ligação caísse na caixa postal.
Após o sinal, Carlos ouviu a voz dela na mensagem. Seu coração bateu forte, ficou ofegante. Uma sensação de alegria e dor se misturava ao meio ao caos em sua mente inundada por lembranças. Por uma fração de segundos imaginou tocar o rosto da mãe novamente... chorou, chorou muito. Algo apertava seu peito, algo precisava ser expelido.
Ligou novamente várias vezes para o número do celular, até que parou em pé em frente à janela do seu quarto. O sol brilhava lá fora, mas isso, naqueles dias, não fazia diferença nenhuma. Carlos se perdeu em pensamentos... Entregou-se mais uma vez, chorou muito e quis quebrar o celular, mas logo veio a ideia de que estaria machucando a voz da sua mãe. Tentou engolir o choro e mostrar força e antes que caísse em prantos de novo questionou-se: até quando ficaria disponível aquela mensagem?

Samir S. Souza
Publicado no Recanto das Letras em 20/11/2011
Código do Texto: T3346315 

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original (Samir S. Souza - www.contoando.blogspot.com). Você não pode criar obras derivadas.

2 comentários:

Passei para desejar um Santo Natal e um ano 2012, tão feliz quanto possível. Sobretudo com muita Saúde, Paz, Amor. Tudo de bom para si.
Comovente esta história. Levou-me às lágrimas.
Um abraço e FESTAS FELIZES

Muito triste! e muito bonito também...